Menu Right

Top Social Icons

Responsive Full Width Ad

Publicidade
Publicidade
✆ 93 9 9211 0226
WhatsApp
WhatsApp

Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 7 de junho de 2021

Após onda de ataques, aulas são suspensas em Manaus

A circulação da frota de ônibus também foi suspensa após parte dos coletivos serem queimados durante a onda de violência.

Após onda de ataques em Manaus, no Amazonas, no último domingo (6), as escolas amanheceram fechadas nesta segunda-feira (7). Após a morte de um traficante pela Polícia Militar, agências bancárias e escolas foram depredadas, viaturas e ônibus foram queimados.

Por meio de nota divulgada nas redes sociais, o prefeito de Manaus, David Almeida e o secretario municipal de Educação, Pauderney Avelino, informaram que "por medida de segurança" todas as atividades da Semed (Secretária Municipal de Educação) estão suspensas. Os funcionários deverão trabalhar em casa e as aulas foram canceladas na cidade nesta segunda-feira.

O transporte público também foi afetado nesta segunda. A circulação da frota de ônibus também foi suspensa após parte dos coletivos serem queimados durante a onda de violência em Manaus.

Entenda a situação:

Manaus sofreu uma onda de violência no domingo, foram registrados 17 focos de incêndio, os alvos foram viaturas da polìcia, ônibus, prédios públicos, comércios e agências bancárias. 

Segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública) os ataques foram ordenados de dentro de um presídio como forma de represália após a morte de um traficante ligado a uma facção criminosa. O governo do estado criou um comitê para gerenciar a crise e até o momento 14 suspeitos de terem participado dos ataques foram presos.

Fonte: R7



sexta-feira, 21 de agosto de 2020

Coronavírus: Paraná chega a 88.978 casos confirmados e 2.319 mortes, diz secretaria da Saúde

Boletim deste domingo (9) mostra aumento de 1.063 confirmações e 75 mortes em comparação com o relatório de sexta-feira (7). O Paraná chegou a 88.978 casos confirmados do novo coronavírus neste domingo (9), de acordo com o boletim da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). O estado registrou 2.319 mortes por causa da Covid-19.

O relatório apontou 75 novas morte e 1.063 diagnósticos a mais da doença, em relação aos dados de sexta-feira (7). No sábado (8), a Sesa não divulgou o boletim com as informações do novo coronavírus porque, conforme a pasta, o sistema estava inconsistente. Contudo, os dados deste domingo não estão detalhados. A Sesa disse que o sistema ainda não foi restabelecido.

Coronavírus: Paraná chega a 88.978 casos confirmados e 2.319 mortes, diz secretaria da Saúde

"Tão logo o sistema se normalize, as informações e detalhamentos serão restabelecidas novamente. Os dados são preliminares e sujeitos a alterações", explicou a Sesa.

Pacientes internados

Conforme a Sesa, 995 pacientes com a Covid-19 estão internados neste domingo. Desses, 765 estão em leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) – 375 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e 390 em leitos de enfermaria. Outros 230 pacientes estão internados na rede particular. 99 deles estão em UTI, e 131 em enfermarias.


Além disso, 910 pessoas estão internadas com suspeita do novo coronavírus em leitos das redes públicas e privadas. Os resultados exames desses pacientes ainda não saíram. 454 desses pacientes estão em UTI, e 456 em enfermarias.

Curitiba

O informe divulgado pela Prefeitura de Curitiba neste domingo apontava 17 novas mortes e 354 novos casos na comparação com sábado.

Ao todo, de acordo com os dados da administração municipal, 708 pessoas morreram de Covid-19 na cidade. São 23.980 casos confirmados, e 18.725 pessoas se recuperaram da doença.

Da Redação
Por G1 PR — Curitiba

sábado, 23 de maio de 2020

Janaina Paschoal diz que vídeo divulgado pelo STF tem potencial para reeleger Bolsonaro

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) foi ao Twiter nesta sexta-feira (22) para comentar sobre o vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, divulgado hoje pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal.

De acordo com a parlamentar, o conteúdo do vídeo tem potencial para reeleger o chefe do Executivo.


“Eu não sei se eu estou vendo a fita que vinha sendo anunciada. Realmente não sei. A fita que eu estou vendo reelege o Presidente”, publicou.

Assessoria

Da Redação

sexta-feira, 22 de maio de 2020

General Heleno envia Nota à Nação Brasileira do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência

Nesta sexta-feira (22), o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Augusto Heleno Ribeiro Pereira, publicou nas redes sociais uma nota à Nação Brasileira.

A nota é uma resposta à ação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, que enviou à Procuradoria-Geral da República (PGR) três notícias-crimes apresentadas por partidos e parlamentares que têm como alvo o presidente da República Jair Bolsonaro.



Entre as medidas solicitadas pelos autores da ação, estão o depoimento do chefe do Executivo e a busca e apreensão do celular dele e do vereador Carlos Bolsonaro para perícia.

As notícias-crimes pedem desdobramentos na investigação sobre a acusação do ex-ministro Sergio Moro de interferência de Bolsonaro na Polícia Federal (PF).

Em despachos enviados à PGR, Celso de Mello disse “ser dever jurídico do Estado promover a apuração da autoria e da materialidade dos fatos delituosos narrados por qualquer pessoa do povo”.

“A indisponibilidade da pretensão investigatória do Estado impede, pois, que os órgãos públicos competentes ignorem aquilo que se aponta na ‘notitia criminis’, motivo pelo qual se torna imprescindível a apuração dos fatos delatados, quaisquer que possam ser as pessoas alegadamente envolvidas, ainda que se trate de alguém investido de autoridade na hierarquia da República, independentemente do Poder (Legislativo, Executivo ou Judiciário) a que tal agente se ache vinculado”, anotou no despacho.

Celso de Mello enviou os casos para análise de Augusto Aras e ressaltou que compete ao PGR analisar os fatos colocados e deliberar sobre o processo.

Após a repercussão, o general Heleno emitiu a seguinte nota:

Nota à Nação Brasileira,

Brasília, DF, 22 de maio de 2020.

O pedido de apreensão do celular do Presidente da República é inconcebível e, até certo ponto, inacreditável.

Caso se efetivasse, seria uma afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e uma interferência inadmissível de outro Poder, na privacidade do Presidente da República e na segurança institucional do País.

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República alerta as autoridades constituídas que tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional.

Prefeito de Duque de Caxias (RJ) decreta reabertura do comércio a partir da próxima semana

O Prefeito de Duque de Caxias, cidade da Baixada Fluminense, Washington Reis (MDB), determinou em um decreto municipal, assinado nesta sexta-feira (22), que a partir de segunda (25) comece a reabertura do comércio na cidade.

Os estabelecimentos comerciais poderão funcionar, mas o atendimento ao público deverá ser de até 30% da capacidade de lotação. Além disso, outras exigências sanitárias deverão ser cumpridas, como disponibilização de álcool gel e uso de protetor facial para clientes e funcionários.


No decreto ainda fica proibido a reabertura de cinemas e teatros, além de frequentar ou visitar piscinas, clubes recreativos, rios, cachoeiras e Unidade de Conservação, no território do Município.

“Os restaurantes, lanchonetes, bares, botecos e afins, além de estabelecimentos congêneres, deverão limitar o atendimento ao público a 30% (trinta por cento) da sua capacidade de lotação, com a normalidade de entrega e retirada de alimentos no próprio estabelecimento”, diz o decreto do prefeito.

Durante uma live em sua página no Facebook na noite desta última quinta-feira (21), o prefeito Washington Reis afirmou que na “próxima rodada” de relaxamento das medidas irá determinar a volta às aulas na cidade. No decreto, a suspensão das aulas irá até dia 15 de junho.

“Não próxima rodada vamos abrir as escolas, porque as crianças estão na rua sem máscara, jogando bola. Vai ter todo cuidado que creio que elas não tem em casa. Vai até servir de enfermeirinho para levar para casa os hábitos, orientar os pais e irmãos sobre como se cuidar “, disse Reis.

Assessoria

Da Redação 

Ministro interino da Saúde convida Nelson Teich para ser conselheiro da pasta

O ex-ministro da saúde, Nelson Teich, foi convidado pelo general Eduardo Pazuello, atual comandante interino da pasta, para ser conselheiro de assuntos estratégicos do Ministério da Saúde.


A criação do conselho é uma ideia de Pazuello. O convite, no entanto, ainda não foi respondido.

Teich pediu demissão no dia 15 de maio, menos de um mês após assumir o cargo.

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Governadores apoiam veto a reajustes de salário para servidores

Momento é de unidade nacional, diz governador de Matro Grosso do Sul

Em reunião por videoconferência com o presidente Jair Bolsonaro, os governadores manifestaram hoje (21) apoio ao veto do trecho do projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional que deixa várias categorias do funcionalismo de fora do congelamento de salários de servidores públicos, proposto pelo governo federal.


Os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), também participaram do encontro, ao lado de Bolsonaro e de ministros de Estado, a partir do Palácio do Planalto.

“É o momento da unidade nacional, [em] que todos nós estamos dando uma cota de sacrifício, é um momento ímpar na história do país, e a maioria dos governadores entende [ser] importante vetar esse artigo dos aumentos salariais”, disse o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, em nome de todos os governadores. “Pedimos que sancione esse projeto porque é importante para manutenção das atividades dos entes federados, para poder socorrer principalmente aqueles assuntos relacionados à saúde”, afrrmou Azambuja.

O Projeto de Lei Complementar (PLC) 39/20, que fioi aprovado no dia 6 de maio, garante auxílio financeiro de até R$ 125 bilhões a estados, municípios e ao Distrito Federal para o combate ao novo coronavírus, e tem como contrapartida medidas de controle de gastos, como a suspensão do reajuste.

Além dos profissionais de saúde e segurança pública e das Forças Armadas, os parlamentares excluíram do congelamento trabalhadores da educação pública, servidores de carreiras periciais, das Polícias Federal e Rodoviária Federal, guardas municipais, agentes socioeducativos, profissionais de limpeza urbana, de serviços funerários e de assistência social.

Azambuja citou estudos do Ministério da Economia segundo os quais os dois anos de congelamento de reajuste liberariam R$ 69 bilhões nas despesas dos estados com funcionalismo e R$ 62 bilhões, nas dos municípios. “É impossível darmos qualquer aumento agora porque precisamos cuidar da população brasileira como um todo”, destacou o governador sul-mato-grossense.

Bolsonaro anunciou que o PLC será sancionado em breve, após alguns ajustes técnicos e que as progressões e promoções dos servidores continuarão ocorrendo normalmente. Apenas os reajustes serão suspensos. O projeto aprovado também prevê a suspensão dos prazos de validade dos concursos públicos homologados até o dia 20 de março deste ano. Tal suspensão será mantida até o fim do estado de calamidade pública em vigor no país.

De acordo com o presidente, serão vetados quatro dispositivos, e ele pediu apoio para que esse vetos sejam mantidos pelo Congresso. “Enquanto se fala que os informais perderam muito, que os formais também, muitos perderam seus empregos ou tiveram salários reduzidos. Essa é a cota de sacrifício dos servidores, pela proposta que está aqui, de não ter reajuste até 31 de dezembro do ano que vem”, disse Bolsonaro.

Após a sanção, os parlamentares tem 30 dias para apreciar os vetos.

Ajuda financeira
Dos R$ 125 bilhões, há o repasse de R$ 60 bilhões aos entes federados, em quatro parcelas mensais, sendo R$ 10 bilhões reservados ao combate à covid-19. Em nome dos governadores, Azambuja também pediu que, se possível, a primeira parcela seja liberada ainda no mês de maio, devido “à perda brutal que os estados estão vivendo em suas receitas”, por causa da queda na atividade econômica.

Pelo projeto, além do repasse, estados e municípios terão R$ 49 bilhões liberados por meio de suspensão e renegociação de dívidas com a União e bancos públicos, e mais R$ 10,6 bilhões em renegociação de empréstimos com organismos internacionais com aval da União. Já os municípios terão a suspensão do pagamento de dívidas previdenciárias que venceriam até o fim do ano, e que representam cerca de R$ 5,6 bilhões para eles.

União e coordenação
Os governadores do Espírito Santo, Renato Casagrande, e de São Paulo, João Doria, parabenizaram o presidente Bolsonaro pela condução da reunião e enfatizaram a necessidade de uma coordenação central da crise e de ações conjuntas entre todos os Poderes, nos três níveis da federação, para o combate à pandemia de covid-19, a preservação de vidas e proteção dos mais vulneráveis.

“Não temos, nós, estados e municípios, o poder forte para fazer esse enfrentamento sozinhos”, disse Casagrande. “Vamos viver ainda um tempo significativo de crise [de saúde e econômica]”, acrescentou. “E não precisamos da crise política, por isso, saúdo o presidente por nos convidar para que pudéssemos estar dialogando e participando desse ato, de sanção desse projeto de lei.”

João Doria destacou que as lideranças políticas precisam estar unidas para vencer a crise e proteger a saúde dos brasileiros. “Nosso foco, neste momento, é exatamente este: proteger os brasileiros em todo o Brasil. A existência de uma guerra, ela coloca a todos em derrota, ninguém ganha numa guerra, e quem perde, principalmente são os mais pobres e mais humildes. E nós precismos estar unidos”, disse.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, destacou a construção coletiva do PLC para dar segurança jurídica aos entes e para que se possa “concretamente socorrer os estados e municípios brasileiros, estendendo a mão amiga do governo federal, para buscar diminuir os impactos dramáticos da crise que estamos vivendo”. Alcolumbre parabenizou todos os líderes que estão “deixando as ideologias e os partidos políticos de lado”.

“Chegou a hora de todos nós darmos as mãos, levantarmos uma bandeira branca, porque estamos vivendo um momento excepcional, um momento de guerra. Ee na guerra todos perdem”, afirmou o senador. “Temos que ter consciência de que essa crise histórica que estamos vivendo é uma crise sem precedentes nas nossas vidas, mas nós seremos cobrados no futuro sobre qual atitudes tomamos para enfrentar uma dificuldade de saúde pública que ceifa hoje a vida de quase 20 mil brasileiros. E milhares perderam seus empregos, milhões estão perdendo a oportunidade de um futuro promissor”, destacou.

Em sua fala, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que a reunião simbolizava a importância da federação e que a sanção do projeto vai dar condições de trabalho para estados e municípios no combate ao novo coronavírus. “A união de todos no enfrentamento à crise vai criar as melhores condições para que, em um segundo momento, possamo tratar, no pós-pandemia, da nossa recuperação econômica e dos empregos dos brasileiros. A união, em conjunto, para salvar vidas é a sinalização mais importante e esses recursos vão certamente nessa linha.”

Maia voltou a defender a ampliação das reformas administrativa  e tributária para “outro patamar” e disse que a Câmara pode debater desde já essas propostas. O deputado defendeu ainda a retomada da discussão de propostas como a do novo marco regulatório do saneamento básico. “Para que no período pós-pandemia, unidos, com credibilidade com o mundo, a gente possa ter marcos em vários setores, começando pelo saneamento [básico], para o Brasil. E esses investimentos garantirão uma recuperação melhor para o país”, afirmou.

Edição: Nádia Franco

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Regina Duarte anuncia saída da Secretaria da Cultura e desmente fake news da imprensa

Na manhã desta quarta-feira, 20 de maio, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a saída da atriz do comando da Secretaria de Cultura.


Regina afirma que a ausência da família pesou na decisão tomada.

“Estou sentindo muita falta dos netos, filhos, família, a qual sempre fui muito ligada.”

Em vídeo com Bolsonaro, ela desmentiu a imprensa brasileira e assegurou que não houve ‘fritura’ por parte do presidente.

Regina diz não acreditar mais na imprensa, que a todo instante está criando narrativas contra o governo.

Nos próximos dias, durante a transição, será mostrado o trabalho já realizado nos últimos 60 dias

terça-feira, 19 de maio de 2020

Pazuello escolhe coronel como n° 2 do Ministério da Saúde

Militar Élcio Franco Filho assume posto de secretário-executivo da pasta federal

O ministro da Saúde interino, general Eduardo Pazuello, designou nesta terça-feira (19) o coronel Antônio Élcio Franco Filho, ex-secretário de saúde em Roraima, para ocupar o posto de número 2 na pasta como seu substituto.


Embora já ocupasse o posto de adjunto na secretaria-executiva, Franco Filho ainda não estava escalado como substituto oficial da área, o que até então cabia a um nome da gestão anterior.

Com a definição, o coronel Franco Filho deve responder como secretário-executivo substituto enquanto Pazuello estiver à frente do Ministério da Saúde. O general também nomeou nesta terça mais nove militares para cargos dentro da pasta.

As nomeações ocorrem após a demissão do ex-ministro Nelson Teich, que deixou a pasta na sexta-feira em meio a divergências com o presidente Jair Bolsonaro. O governo, porém, já vinha ampliando o número de militares na Saúde ainda na gestão de Teich.

Entre os novos nomeados, dois devem ocupar cargos como assessores do gabinete do ministro, seis na secretaria-executiva e um na secretaria de atenção especializada em saúde, como diretor. Em comum, todos são militares ou têm histórico militar.

*Folhapress

Governo sanciona lei que cria crédito para microempresas

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que abre uma linha de crédito especial para ajudar micro e pequenas empresas durante o período de pandemia do covid-19.

A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (19).


O valor dos empréstimos será de até 30% da receita bruta anual da empresa em 2019.

O valor máximo do benefício será de R$ 108 mil para microempresas e R$ 1,4 milhão para as pequenas.


O Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), será destinado para microempresas que tenham faturamento anual de até R$ 360 mil e pequenas empresas cujo valor obtido em um ano varie de R$ 360 mil a R$ 4,8 milhões.

A verba financiada pelo governo poderá ser dividida em até 36 vezes e a taxa de juros máxima será igual à Taxa Selic (atualmente em 3%), com um acréscimo de 1,25%.

segunda-feira, 18 de maio de 2020

CONFIRMADO! Auxílio de R$600 vai ser pago a todos em poupança digital da Caixa

Quem for beneficiário do novo programa do Governo Federal, pago durante pandemia do novo coronavírus, vai receber a segunda parcela em uma poupança digital

Você tem direito ao auxílio emergencial no valor de R$600? Quem for beneficiário do novo programa do Governo Federal, pago durante pandemia do novo coronavírus, vai receber a segunda parcela em uma poupança digital aberta na Caixa Econômica Federal, inclusive aqueles que indicaram uma conta em outro banco no momento em que estava se cadastro.


Além disso, o dinheiro, até a data de saque em espécie, poderá ser utilizado para pagamento de contas e boletos e para compras através de cartão de débito virtual. Para fazer o saque do dinheiro ou transferi-lo para outro banco será necessário esperar alguns dias.

De acordo com informações da Caixa, 3,5 milhões de pessoas receberam o auxílio em contas de outros bancos. Nesse caso, o dinheiro vai ser liberado na poupança digital, conforme calendário que começa já na quarta-feira, 20 de maio.

Após isso, no dia que for autorizado o saque em dinheiro, caso ainda tenha dinheiro na poupança, o valor será transferido automaticamente para a conta do outro banco indicado pela pessoa, conforme informou Paulo Henrique Angelo, vice-presidente de Varejo da Caixa.

“O crédito entra na conta de outro banco na data do saque em espécie”, afirmou Angelo.

Calendário da 2ª parcela (uso digital) – Poupança Social
20 de maio (quarta-feira) – nascidos em janeiro e fevereiro
21 de maio (quinta-feira) – nascidos em março e abril
22 de maio (sexta-feira) – nascidos em maio e junho
23 de maio (sábado) – nascidos em julho e agosto
25 de maio (segunda-feira) – nascidos em setembro e outubro
26 de maio (terça-feira) – nascidos em novembro e dezembro
Acesse Agora: Lançamento no Brasil - www.brasil123.com.br
Calendário da 2ª parcela (saque) – Bolsa Família
18 de maio (segunda-feira) – NIS 1
19 de maio (terça-feira) – NIS 2
20 de maio (quarta-feira) – NIS 3
21 de maio (quinta-feira) – NIS 4
22 de maio (sexta-feira) – NIS 5
25 de maio (segunda-feira) – NIS 6
26 de maio (terça-feira) – NIS 7
27 de maio (quarta-feira) – NIS 8
28 de maio (quinta-feira) – NIS 9
29 de maio (sexta-feira) – NIS 0
Calendário da 2ª parcela (saque) – Poupança Social e demais públicos
30 de maio (sábado) – nascidos em janeiro
01 de junho (segunda-feira) – nascidos em fevereiro
02 de junho (terça-feira) – nascidos em março
03 de junho (quarta-feira) – nascidos em abril
04 de junho (quinta-feira) – nascidos em maio
05 de junho (sexta-feira) – nascidos em junho
06 de junho (sábado) – nascidos em julho
08 de junho (segunda-feira) – nascidos em agosto
09 de junho (terça-feira) – nascidos em setembro
10 de junho (quarta-feira) – nascidos em outubro
12 de junho (quinta-feira) – nascidos em novembro
13 de junho (sexta-feira) – nascidos em dezembro

58 milhões estão aptos a receber o auxílio de R$600

A portaria que libera o calendário da segunda parcela do auxílio emergencial informa que mais de 58 milhões de brasileiros aptos a receber o auxílio, sendo que 28 milhões solicitaram a ajuda emergencial através do aplicativo do programa.

A Caixa Econômica Federal (CEF) havia completado duas semanas sem liberar novos créditos do auxílio emergencial no valor de R$600, pago durante pandemia do novo coronavírus.

De acordo com informações do banco, até o último levantamento, foram pagos R$ 35,5 bilhões a 50 milhões de brasileiros (mesmos números informados desde 30 de abril).

A portaria publicada informa cerca de 8 milhões de brasileiros aptos ainda não receberam o auxílio.

Primeira parcela pendente
De acordo com o presidente da Caixa, o banco vai pagar até o próximo sábado, 16 de maio, mais um lote da primeira parcela do auxílio de R$600. Nessa remessa, segundo o banco, vão receber os valores pessoas que tiveram inconsistências no cadastro e, por isso, ainda estavam com o benefício pendente.

Guimarães ainda não revelou quantas pessoas serão incluídas nesse pagamento da primeira parcela. Além disso, ainda não foi informado se haverá novas liberações da primeira parcela do auxílio de R$600 nas próximas semanas.

Até então, apenas os trabalhadores que já são beneficiários do Bolsa Família tinham data para receber, já que os pagamentos seguem o calendário do Bolsa.

Saiba quem pode receber o auxílio emergencial
O projeto altera uma lei de 1993, que trata da organização da assistência social no país. De acordo com o texto, durante o período de três meses será concedido auxílio emergencial de R$ 600 ao trabalhador que cumpra, ao mesmo tempo, os seguintes requisitos:

seja maior de 18 anos;
não tenha emprego formal;
não seja titular de benefício previdenciário ou assistencial, beneficiário do seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, ressalvado o bolsa-família;
a renda mensal per capita seja de até meio salário mínimos ou a renda familiar mensal total seja de até três salários mínimos;
que não tenha recebido em 2018 rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70.
O auxílio vai ser cortado caso aconteça o descumprimento dos requisitos acima. O texto também deixa claro que o trabalhador deve exercer atividade na condição de:

microempreendedor individual (MEI); ou
contribuinte individual do Regime Geral de Previdência Social que trabalhe por conta própria; ou
trabalhador informal, seja empregado ou autônomo, inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), até 20 de março de 2020, ou que se encaixe nos critérios de renda familiar mensal mencionados acima.
Veja Também: Principais Notícias do Brasil e do Mundo
Desde já, a proposta estabelece que apenas duas pessoas da mesma família poderão receber cumulativamente o auxílio emergencial e o benefício do Bolsa Família, podendo ser substituído temporariamente o benefício do Bolsa Família pelo auxílio emergencial, caso o valor da ajuda seja mais vantajosa para o beneficiário. A trabalhadora informa, chefe de família, vai receber R$ 1.200.

Como pedir o auxílio
Os trabalhadores poderão solicitar o auxílio emergencial de R$600 das seguintes formas:

Acesse aqui para entrar pelo site: https://auxilio.caixa.gov.br/#/inicio
Clique aqui para baixar o aplicativo para celulares Android: https://play.google.com/store/apps/details?id=br.gov.caixa.auxilio
Clique aqui para baixar o aplicativo para iOS (celulares da Apple): https://apps.apple.com/br/app/caixa-aux%C3%ADlio-emergencial/id1506494331
O cidadão, enfim, no primeiro momento, deve acessar a página inicial oficial do site da Caixa (https://auxilio.caixa.gov.br/#/inicio);
Dessa forma, na página seguinte, são mostrados os requisitos necessários para ter direito ao auxílio emergencial de R$600 a R$1.200;
Após isso, o trabalhador informal deve preencher dados como nome completo, CPF e data de nascimento;
Logo após, será necessário o preenchimento do número do celular para recebimento de um código de verificação por SMS;
Assim chegar por SMS, o código de verificação deve ser colocado no campo “código recebido”;
Após isso, o cidadão deverá informar a renda, o ramo de atividade (as opções oferecidas pelo sistema são Agricultura e Pecuária, Extrativismo/Pesca, Comércio, Produção de Mercadorias, Prestação de serviços, Trabalho Doméstico, Outros), estado e cidade;
Em seguida, o trabalhador escolhe se quer receber em conta já existente ou criar uma poupança digital;
O trabalhador poderá escolher se deseja receber o valor do auxílio em uma conta já existente ou criar uma poupança digital;
Após informar a opção, trabalhador deve fornecer seu documento (RG ou CNH);
Em seguida vêm os dados fornecidos pelo trabalhador;
Em conclusão, na tela final, aparece o aviso de que o pedido do auxílio emergencial está em análise.

FAB leva medicamentos e profissionais de saúde a cidades do Amazonas

São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga recebem equipamentos como máscaras, aventais descartáveis e respiradores

Um voo da Força Aérea Brasileira decolou nesse domingo (18) de Brasília com destino a duas cidades do estado do Amazonas: São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga. A aeronave levou milhares de materiais hospitalares, equipamentos de proteção individual, remédios e 11 profissionais de saúde para reforçar o atendimento na fronteira do Brasil com a Colômbia. 


São Gabriel da Cachoeira fica há cerca de 800 quilômetros de Manaus e foi a primeira cidade a receber os materiais enviados pelo Governo Federal. A cidade tem 45 mil habitantes sendo 90% indígenas e para chegar ao local, só é possível de barco ou avião. Até último o domingo, o município registrava 303 casos da doença e 12 mortes. Na cidade existe um hospital público. 


“É um hospital adaptado para atender a essa pandemia. É o único na cidade que atende pelos SUS, e a administração é do Exército Brasileiro. A missão do hospital de São Gabriel da Cachoeira é receber o paciente, estabilizar o paciente e encaminhá-lo a um centro com maior capacidade”, disse o General Alexandre Ribeiro de Mendonça, comandante da 2ª Brigada de Infantaria de Selva.


Depois de São Gabriel da Cachoeira, a missão foi realizada nesta segunda-feira (18) em Tabatinga. O hospital da região também atende indígenas.

Além do material enviado neste final de semana para o estado, o Governo Federal repassou, de janeiro a maio deste ano, mais de 95 milhões de reais ao Amazonas, para reforçar as ações de atendimento dos casos de Covid-19.

Funai recebe mais R$ 7,5 milhões para combater o novo coronavírus

Recurso será utilizado na compra de alimentos, itens de higiene, equipamentos de proteção individual, antenas de comunicação e embarcações

O Governo Federal liberou R$ 7,5 milhões à Fundação Nacional do Índio (Funai) para reforçar as ações do órgão no enfrentamento ao novo coronavírus junto aos povos indígenas de todo o País. O recurso é proveniente de um crédito extraordinário enviado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP).


O valor será utilizado para aquisição de alimentos e itens de higiene e limpeza, construção de barreiras sanitárias no acesso às terras indígenas, instalação de antenas de comunicação em áreas remotas, aquisição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e realização de atividades de proteção a índios isolados, além de compra de embarcações (motores e botes).

Em todo o Brasil, a Funai já empregou cerca de R$ 10 milhões, originários de suplementação orçamentária, e R$ 3 milhões, de recursos próprios no combate à pandemia. Os valores vêm sendo utilizados, entre outras medidas, para a compra e distribuição de cestas básicas a famílias indígenas em situação de vulnerabilidade social. Até agora, já foram distribuídas mais de 45 mil cestas de alimentos a etnias de diferentes regiões do País.

Com informações da Funai 

Camex zera imposto de importação de 118 produtos contra coronavírus

Total de produtos com tarifas zeradas sobe para 509

Um total de 118 produtos usados no combate ao novo coronavírus teve o Imposto de Importação zerado. Desse total, cerca de 80 correspondem a medicamentos usados no tratamento de pacientes hospitalizados. A decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex) foi publicada hoje (18) no Diário Oficial da União.


Com a medida, sobe para 509 o número de produtos que tiveram a tarifa de importação zerada desde o início da pandemia de covid-19. Em nota, o Ministério da Economia informou que a ampliação da lista de itens importados atende à demanda do Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e a parâmetros da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Um dos itens com imposto reduzido a zero é a prednisona, indicada para o tratamento de doenças endócrinas, osteomusculares, alérgicas e oftálmicas. Medicamentos antivirais e antirretrovirais também estão na lista.

A redução do Imposto de Importação soma-se a uma série de medidas do Ministério da Economia para facilitar a compra de produtos usados no enfrentamento da pandemia. Além de diminuir o Imposto de Importação, o governo reduziu a zero o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de centenas de produtos essenciais no combate à doença.

Para evitar gargalos nos portos e aeroportos e acelerar a entrega das cargas, a Receita Federal simplificou o despacho aduaneiro de importação. O governo também suspendeu tarifas antidumping (aplicadas quando há concorrência desleal de itens importados) sobre tubos de coleta de sangue e seringas descartáveis e eliminou licenciamento de importação de mercadorias essenciais no combate à doença.

Outra medida tomada nos últimos meses foi a autorização temporária para a importação de equipamentos de unidades de terapia intensiva usados. Desde que sejam indispensáveis ao tratamento, os equipamentos podem entrar no país sem exigências como a comprovação de inexistência de produtos nacionais semelhantes.

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro comentou a medida no Twitter. "O Governo Federal zera impostos sobre medicamentos em teste para Covid-19. A isenção da alíquota do Imposto de Importação versa sobre mais de 100 medicamentos, como antirretrovirais e antivirais, a fim de facilitar leques de estudos no combate ao vírus", postou.

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela de auxílio emergencial

Ao todo, cerca de 50 milhões de pessoas estão inscritas no programa
A Caixa Econômica Federal começa a pagar a segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 hoje (18). Ao todo, cerca de 50 milhões de pessoas estão inscritas no programa. O benefício é pago para trabalhadores informais e pessoas de baixa renda, inscritos do cadastro social do governo e no Bolsa Família.

O calendário está dividido conforme as datas habituais de pagamento para quem integra o Programa Bolsa Família e de acordo com o mês de nascimento para as demais pessoas que têm direito a receber o benefício.
Os primeiros a receber são os beneficiários do Programa Bolsa Família com Número de Inscrição Social (NIS) final 1. Amanhã será a vez dos beneficiários com NIS final 2. O crédito segue sendo feito nessa ordem, de um NIS por dia, menos no fim de semana, até o número zero, que será pago no dia 29 deste mês. São 1,9 milhão de pessoas recebendo o auxílio diariamente e podendo sacar o benefício pelo cartão do Bolsa Família, segundo o Ministério da Cidadania.
A partir da próxima quarta-feira (20), começa o crédito nas contas sociais digitais da Caixa para as pessoas que nasceram nos meses de janeiro e fevereiro e que não estão no grupo do Bolsa Família. No dia seguinte, o pagamento será para quem nasceu em março e abril, e assim por diante, saltando o domingo (24).
Nas redes sociais, o presidente da República, Jair Bolsonaro, comentou o pagamento como "parte da grande rede de proteção social montada pelo governo em 45 dias".

domingo, 17 de maio de 2020

Covid no Brasil: 241.080 casos, 94.122 curados e 16.118 óbitos

Dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde neste domingo

Após ultrapassar o número total de casos confirmados da Covid-19 de França e Espanha, o Brasil, neste domingo (17), registrou 7.938 novos casos da doença, chegando a 241.080 pessoas com diagnóstico confirmado. Também foram documentadas 485 novas mortes pela Covid-19 no país, acumulando 16.118 vidas perdidas.


Já o total de recuperados da doença chegou a 94.122 pacientes.

No sábado, o Brasil havia registrado 14.919 novas confirmações de infecção e 816 novas mortes, levando o total oficial a 233.142 casos confirmados e 15.633 mortes desde o início da pandemia no país, em fevereiro.

Domingos e segunda-feiras costumam ser marcados por um menor número de casos, pois os registros são mais lentos no final de semana.

Bolsonaro diz que Brasil sairá mais forte da pandemia

Durante um ato pró-governo deste domingo, que aconteceu em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro disse que o governo federal segue prestando todo o apoio para atender doentes da Covid-19.

Bolsonaro afirmou que o Brasil sairá mais forte dessa pandemia.


“Manifestação pura da democracia. Estou muito honrado com isso. O governo federal tem dado todo o apoio para atender as pessoas que contraíram o vírus e esperamos brevemente ficar livre dessa questão, para o bem de todos nós. O Brasil, tenho certeza, certeza, voltará mais forte”, declarou.

Bolsonaro fez questão de dizer que não há “nenhuma faixa, nenhuma bandeira que atente contra a Constituição, contra o Estado Democrático de Direito.”

E acrescentou:

“O que nós queremos é resgatar os valores que formam a nossa nacionalidade, respeitar a família.”

Bolsonaro participa de ato pró-governo: 'manifestação espontânea', diz Presidente

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participou, neste domingo, de ato organizado por apoiadores, em Brasília. O chefe do Executivo foi até a rampa do Palácio do Planalto e falou rapidamente com os manifestantes pró-governo.


Bolsonaro e pelo menos 11 ministros participam de ato pró-governo no Palácio do Planalto
Manifestação em frente à sede do governo foi precedida de uma carreata de apoiadores do presidente., na manhã deste domingo.


sexta-feira, 15 de maio de 2020

“Não vou manchar a minha história por causa do cloroquina”, disse Teich ao se demitir

A CNN Brasil informou que a demissão de Nelson Teich da chefia do ministério da saúde foi em uma reunião que durou 15 minutos com o presidente Bolsonaro, na manhã desta sexta (15).


Segundo a reportagem o ministro disse: “É o dia mais triste da minha vida. Não vou manchar a minha história por causa do cloroquina”.

O presidente defende mudanças no protocolo do uso da hidroxicloroquina no tratamento do novo coronavírus, mas o ministro é contra, o que vem gerando críticas.

Pela manhã, na saída do Palácio da Alvorada, o presidente afirmou que mudaria nesta sexta o protocolo de uso da cloroquina adotado no sistema de saúde.


quinta-feira, 14 de maio de 2020

Bolsonaro pede que governadores e prefeitos tenham ‘misericórdia’ da população: “Nós vamos morrer de fome”

Na saída do Palácio da Alvorada na manhã desta quinta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro fez um novo apelo para que os governadores e reabram a economia em seus estados.


Segundo ele, a continuação do bloqueio no comércio fará as pessoas “morrerem de fome”.

“Tem que reabrir, nós vamos morrer de fome, a fome mata. Então, pessoal, o apelo que eu faço aos governadores, revejam essa política, estou pronto para conversar, vamos preservar vida, vamos, dessa forma (continuidade do comércio fechado) o preço lá na frente serão centenas de vidas que vamos perder”, afirmou.

Ainda segundo o presidente, a manutenção das medidas que levam ao fechamento da economia é o caminho “do fracasso” e poderá “quebrar o Brasil”.

“Vai chegar um ponto que o caos vai se fazer presente aqui, essa história de “lockdown”, vamos fechar tudo, não é esse o caminho, esse é o caminho do fracasso, quebrar o Brasil. Governador, prefeito, que entrou nessa onda lá atrás, faça como eu já fiz algumas vezes na minha vida, se desculpa e faz a coisa certa”, completou.

Da Redação
Conexão Politica

Responsive Full Width Ad