Menu Right

Top Social Icons

Responsive Full Width Ad

Publicidade
Publicidade
✆ 93 9 9211 0226
WhatsApp
WhatsApp

Mostrando postagens com marcador Interior. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Interior. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Toffoli pede ao comandante do Exército indicação de novo assessor para o STF

Atual assessor de Toffoli, general Fernando Azevedo e Silva, assumirá Ministério da Defesa. O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, pediu ao comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, a indicação de um novo assessor para o STF.

Toffoli pede ao comandante do Exército indicação de novo assessor para o STF

O atual assessor especial de Toffoli, general Fernando Azevedo e Silva, assumirá o Ministério da Defesa no governo de Jair Bolsonaro. Toffoli quer que o novo indicado o auxilie, no STF e no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em análises e políticas voltadas para a área de segurança.

Diálogo com as Forças Armadas

Conforme o blog antecipou em setembro, Toffoli fez o gesto de convidar um militar para assessorá-lo no STF para manter aberto o diálogo com as Forças Armadas. Antes mesmo de assumir o comando do STF, procurou Eduardo Villas Boas para pedir a indicação de um nome para a assessoria pessoal.



O general atendeu ao pedido e apontou um nome de confiança dele para trabalhar ao lado do novo presidente da Corte, o de Azevedo e Silva, que havia entrado recentemente para a reserva compulsória.

Por Andréia Sadi

Jato privado de Cardi B faz pouso de emergência em Chicago após piloto passar mal

Segundo o TMZ, o voo com a rapper americana seguia de Los Angeles para Nova York, mas precisou parar em O'Hare para piloto ser atendido. Um jato privado que levaria Cardi B até Nova York no domingo (25) precisou fazer um pouso de emergência em Chicago. Segundo o TMZ, não houve nenhuma falha mecânica na aeronave. Mas o piloto sofreu sérios problemas estomacais e precisou de cuidados médicos.

Jato privado de Cardi B faz pouso de emergência em Chicago após piloto passar mal

Ainda segundo fontes do TMZ, o jatinho ia de Los Angeles para Nova York, na noite de domingo. Na segunda-feira (26), a cantora anunciou em suas redes sociais que havia feito um pouso não programado em Chicago e que estava presa no aeroporto. O voo foi desviado para O'Hare, no noroeste de Chicago, já que o Aeroporto Internacional Midway estava fechado por problemas climáticos

Por G1

Corpos de empresário e mulher vítimas de acidente de avião são velados na Grande BH

Empresário Adolfo Geo, a esposa, Margarida Giannetti Geo, o piloto e o co-piloto morreram no acidente; avião caiu em fazenda no Norte do estado. Os corpos do empresário Adolfo Geo e da esposa dele, Margarida Giannetti Geo, estão sendo velados na manhã desta terça-feira (27) no Parque Renascer Cemitério e Crematório, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Além dos dois, o piloto Marco Aurélio Carvalho e o co-piloto Oliver Schmitzer morreram nesta segunda-feira (26) na queda de um avião em Jequitaí, no Norte de Minas.

Corpos de empresário e mulher vítimas de acidente de avião são velados na Grande BH

Segundo o cemitério, a previsão é que os corpos de Adolfo Geo e da Margarida sejam cremados no início desta tarde. A imprensa não foi autorizada a acompanhar a cerimônia. As vítimas foram carbonizadas e, por isso, precisaram do exame de identificação no Instituto Médico Legal da capital. Os corpos do empresário e da mulher dele foram liberados para a família na noite desta segunda.

Adolfo Geo possuía fazendas de confinamento de gado no município de Jequitaí. O acidente ocorreu quando o avião se preparava para pousar na Fazenda Fortaleza Santa Terezinha, de propriedade do empresário. Segundo o Corpo de Bombeiros, a aeronave modelo Cessna Citation M2 tinha capacidade para oito passageiros e havia decolado do Aeroporto da Pampulha, na capital mineira.

As causas do acidente serão investigadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Em nota, o órgão informou ao G1 que investigadores vão realizar uma ação inicial para coletar dados, como fotografar cenas, retirar partes da aeronave para análise, reunir documentos e ouvir relatos de testemunhas. O prazo para conclusão das investigações não foi informado.

Depois dos trabalhos de perícia, a Polícia Civil informou que trabalha com a hipótese de falha mecânica no momento em que a aeronave se aproximava da pista de voo da fazenda que pertencia ao empresário.

Por G1 Minas, Belo Horizonte

6ª fase da Operação Lama Asfáltica mira dinheiro desviado de MS e enviado para o exterior

Etapa batizada de Computadores de Lama foi deflagrada nesta terça-feira em quatro cidades. Nas seis fases da operação, a PF contabiliza prejuízos de R$ 432 milhões com fraudes e propinas. A 6ª fase da Operação Lama Asfáltica, deflagrada na manhã desta terça-feira (27), apura desvios e dinheiro do governo de Mato Grosso de Sul e remessas ilegais ao exterior. Chamada de Computadores de Lama, essa etapa mira operações financeiras realizadas por donos de empresas de informática que já tinham sido alvo da Lama Asfáltica.

6ª fase da Operação Lama Asfáltica mira dinheiro desviado de MS e enviado para o exterior

A Polícia Federal cumpre quatro mandados de prisão preventiva e 25 de busca e apreensão em Campo Grande, Jaraguari, Dourados e Paranhos. Participam mais de 100 agentes federais, 17 servidores da CGU e 33 da Receita Federal. A Justiça também ordenou o bloqueio de contas bancárias de pessoas físicas e empresas.

Entre os locais onde foram cumpridos mandados estão o Tribunal de Contas do Estado (TCE), a sede uma agência de publicidade, casas de empresários e também de advogados. Confira no vídeo abaixo a chegada da força-tarefa em alguns destes locais:

Investigações

Segundo a PF, essa nova fase decorreu da análise dos materiais apreendidos em etapas anteriores, coletados nas fiscalizações e exames periciais. As investigações apontam que os desvios de dinheiro público ocorreram por meio de licitações direcionadas para serviços de informática, aquisição fictícia ou ilícita de produtos, simulação de contratos e uso de “laranjas” para a ocultação de patrimônio.

A Lama Asfáltica começou em 2015, para apurar fraudes em obras públicas. Somando todas as fases, a força-tarefa identificou prejuízos que passam dos R$ 432 milhões. Para o cálculo, são consideradas as fraudes, valores concedidos irregularmente como benefícios fiscais e propinas pagas a integrantes da organização criminosa investigada.

Fases da Lama Asfáltica

1ª fase: foi deflagrada em 9 de julho de 2015 e apurava fraude em obras públicas – em uma delas, a grama que deveria ser plantada ao longo de três rodovias era substituída por capim. Todos os investigados negaram as acusações.

2ª fase: a operação Fazendas de Lama ocorreu em 10 de maio de 2016. Foi a primeira vez que a PF esteve na casa do ex-governador André Puccinelli. Investigação indicou que o dinheiro obtido com corrupção foi usado para a compra de fazendas, daí o nome da ação.

3ª fase: em julho de 2016, foi realizada a ação chamada de Aviões de Lama. Os alvos foram acusados de revender bens de alto valor e dividir o dinheiro com diversas pessoas, com o objetivo de ocultar a origem.

4ª fase: a Máquinas de Lama foi deflagrada em maio de 2017. Conforme a PF, os alvos direcionavam licitações públicas, superfaturavam obras, faziam aquisição fictícia ou ilícita de produtos e corrompiam agentes públicos.

5ª fase: batizada de Papiros de Lama, ocorreu em 14 de novembro de 2017 e teve o objetivo de desarticular grupo suspeito de desviar R$ 235 milhões em recursos públicos, por meio, entre outros, do direcionamento de licitações públicas e superfaturamento de obras públicas. A PF apontou o ex-governador André Puccinelli, que está preso desde junho deste ano, como chefe da organização criminosa. Ele responde por crimes como lavagem e desvio de recursos públicos.

Por Anderson Viegas, G1 MS

Dólar cai abaixo de R$ 3,90, após 5 altas seguidas e com atuação do BC

Banco Central anunciou que fará leilão de US$ 2 bilhões nesta terça. Na véspera, dólar fechou em alta de 2,51%, a R$ 3,9176, acumulando 5 sessões seguidas de valorização. O dólar é negociado em queda nesta terça-feira (27), após uma sequência de 5 altas seguidas, e com atuação do Banco Central para tentar acalmar o mercado em meio a um cenário externo mais turbulento. Às 12h13, a moeda dos EUA caía 0,8%, cotada a R$ 3,8862 . Na mínima do dia até o momento, o dólar chegou a R$ 3,8757. Já o dólar turismo era negociado a R$ 4,06, sem considerar o IOF (tributo). Veja mais cotações.

Dólar cai abaixo de R$ 3,90, após 5 altas seguidas e com atuação do BC

Na véspera, o dólar fechou em alta de 2,51%, a R$ 3,9176, maior patamar fechamento desde 2 de outubro (R$ 3,9333). Segundo a agência Reuters, foi a maior alta percentual desde 14 de junho, o que levou o Banco Central a anunciar uma intervenção no câmbio.

O BC irá ofertar nesta terça US$ 2 bilhões em operações de venda de moeda com compromisso de recompra, os chamados leilões de linha, com o objetivo de prover liquidez ao mercado. São operações novas que se somam aos leilões de rolagem de contratos de swap cambial tradicional (equivalente à venda futura de dólares).

O Banco Central também realiza nesta sessão leilão de até 13,6 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de dezembro, no total de US$ 12,217 bilhões. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Alta de 4,75% em 5 sessões

Somente em 5 sessões, o dólar acumulou valorização de 4,75% ante o real. Na parcial do mês, a alta é de 5,24%. No ano, o avanço é de 18,23%. A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2018 permanece em R$ 3,70 por dólar, segundo última pesquisa Focus do Banco Central divulgada na véspera. Para o fechamento de 2019, subiu de R$ 3,76 para R$ 3,78 por dólar.

O que explica as últimas altas

A alta do dólar tem sido influenciada por um cenário internacional mais turbulento, por um fluxo de saída de recursos em ambiente de aversão ao risco no exterior e cautela com o cenário político local. Os investidores estão cautelosos com o encontro entre os presidentes norte-americano, Donald Trump, e chinês, Xi Jinping, no G20 no final de semana, as perspectivas de menor crescimento econômico mundial e ainda as negociações políticas locais.

Nesta terça, o cenário externo continuava adverso, depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou esperar seguir em frente com o aumento de tarifas sobre US$ 200 bilhões em importações chinesas, o que jogou um balde de água fria sobre o otimismo vigente diante do encontro dele com o presidente da China, Xi Jinping no G20, no final da semana.

Nesta quinta-feira, o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) divulga a ata de seu último encontro de política monetária. A expectativa sobre a trajetória dos juros norte-americano tem permeado os negócios, com os temores de enfraquecimento da economia global reforçando a leitura de que o Fed poderia ser mais suave nos aumentos da taxa. A previsão, por ora, é de mais cinco aumentos até o início de 2020, sendo dezembro o quarto deste ano.

Educação Financeira: Como o sobe e desce do dólar influencia minha vida? Com o juro mais alto nos EUA e estável no Brasil – a pesquisa Focus desta segunda-feira trouxe perspectiva menor para a alta da Selic em 2019 –, o diferencial de juros entre os países também ajuda a sustentar a trajetória de alta da moeda ante o real.

Internamente, as atenções seguem voltadas para a equipe do novo governo e, especificamente nesta sessão, à votação do projeto de lei de cessão onerosa no Senado, já adiada anteriormente, e que pode ajudar o novo governo a fazer o ajuste fiscal.

Por G1

Publicidade

Responsive Full Width Ad