Menu Right

Top Social Icons

Responsive Full Width Ad

Publicidade
Publicidade
✆ 93 9 9211 0226
WhatsApp
WhatsApp

terça-feira, 23 de novembro de 2021

Itaituba: Polícia Civil cumpre mandado de busca e apreensão da Operação "Carga Pesada"

Segundo informações, os membros da organização criminosa são especialistas em furto de cargas de fertilizantes em diversas empresas transportadoras.

Foto: Reprodução

Na segunda-feira (22), a Polícia Civil de Itaituba, sudoeste do estado do Pará, realizou o cumprimento da 3ª fase da operação “Carga Pesada”. Na ação, foram realizadas apreensões e prisões temporárias contra os investigados. 

Segundo informações, os membros da organização criminosa são especialistas em furto de cargas de fertilizantes em diversas empresas transportadoras atuantes nas cidades do oeste do Estado do Pará e norte do Estado de Mato Grosso.  

Além disso, o grupo seria composto pelos próprios funcionários das empresas transportadoras. Dentre eles, por funcionários da empresa lesada (que atuavam na facilitação do cadastro e carregamento dos caminhoneiros); por motoristas de caminhões (que transportavam as cargas aos destinos diversos daqueles que realmente deveriam ser); por recrutadores de motorista (que realizavam o primeiro contato com os caminhoneiros e a eles ofereciam as vantagens decorrentes do esquema); por intermediadores (que ofereciam as cargas aos fazendeiros interessados) e por fazendeiros ( que compravam as cargas desviadas).

Estima-se um prejuízo de aproximadamente 1,5 milhão de reais. Todos os envolvidos foram presos nesta terceira fase, que ainda continuam em investigações. 

Foto: Reprodução

On News/PC-PA

Prefeito de Santarém cancela festas de réveillon e carnaval

Esse é o segundo ano consecutivo que os eventos não acontecem devido à pandemia.

Santarém - Pará. Foto: Reprodução

Nesta terça-feira (23), Nélio Aguiar, prefeito do município de Santarém, localizado na região oeste do Pará, anunciou sobre o cancelamento da festa de réveillon e também do Carnaval em 2022. Esse é o segundo ano consecutivo que os eventos não acontecem devido à pandemia da covid-19.

O motivo do cancelamento, segundo o prefeito, se dá pela proteção à saúde dos municípios e ainda, afirma ele, porque a cidade continua com casos confirmados da doença da covid-19, mesmo que em um número menor. “Não temos segurança total para realizar os eventos culturais em praças públicas, os eventos em ambientes fechados estão liberados com restrições de público e exigência do certificado de vacinação”, enfatizou.

O prefeito relata que é impossível fazer o controle em um ambiente aberto e afirma que mediante essa situação, ele e o secretário de cultura decidiram não realizar os eventos.

Mesmo diante da decisão, Santarém tem realizado festas privadas de grande porte, como foi o caso do último show nacional do cantor Gusttavo Lima, que recebeu centenas de pessoas em um espaço aberto da cidade.

Casos no município

De acordo com o boletim da covid-19 divulgado diariamente pela Secretaria de Saúde de Santarém, 839 pessoas estão sendo monitoradas e 78 amostras estão em análise. O município registrou um total de 22.877 casos positivos da doença. Desses, 21.128 foram recuperados e 1.127 evoluíram a óbito.

Ainda de acordo com o boletim, a rede hospitalar do município possui 20 leitos de Unidade de Terapia Intensiva exclusivos para covid-19, dos quais 19 estão ocupados, totalizando 95% de ocupação.

Existem 43 leitos clínicos para a covid-19. Desse total, 28 estão ocupados com 16 casos positivos e 12 suspeitos.

Um caso mais recente que chamou atenção no município aconteceu no dia 3 de novembro deste ano, quando trinta policiais militares positivaram para covid-19, da variante Delta. Isso aconteceu quando 53 PMs participavam de um curso de aperfeiçoamento em Santarém.


O Liberal

Mundo está entrando em quarta onda de Covid-19, diz diretora da OMS

A médica aponta receio quanto ao cenário no Brasil, principalmente por conta das discussões em curso sobre o Carnaval.

Foto: Reprodução

A diretora-geral adjunta de acesso a medicamentos e produtos farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS), a médica brasileira Mariângela Simão, disse que o mundo está entrando em uma quarta onda da pandemia de Covid-19.

“Estamos vendo a ressurgência de casos de covid-19 na Europa. Tivemos nas últimas 24 horas mais de 440 mil novos casos confirmados. E isso que há subnotificação em vários continentes”, disse.

“O mundo está entrando em uma quarta onda, mas as regiões têm tido um comportamento diferente em relação à pandemia”, afirmou Mariângela Simão durante conferência na abertura no Congresso Brasileiro de Epidemiologia na segunda-feira (22).

Simão chamou atenção para a situação na Europa, onde alguns países têm retomado medidas restritivas por conta do aumento de casos.

“Na região das Américas, há uma transmissão comunitária continuada, com pequenos picos, enquanto a Europa está entrando de novo em uma ressurgência de casos”, explicou.

Segundo ela, à abertura e flexibilização das medidas de distanciamento no verão, além do uso inconsistente de medidas de prevenção em países e regiões contribuíram para o atual cenário.

Vacinação não freia o vírus

A diretora da entidade disse ainda que o vírus continua evoluindo com variantes mais transmissíveis e lembrou que a vacinação reduz as hospitalizações, mas não interrompe a transmissão da doença.

“O aumento da cobertura vacinal não influencia na higiene pessoal, mas tem associação com diminuição do uso de máscaras e distanciamento social. Além disso, há desinformação, mensagens contraditórias que são responsáveis por matar pessoas”, apontou a diretora-geral adjunta da OMS.

Mariângela Simão ainda chamou atenção para o fato de grande parte da população seguir sem acesso às vacinas.

“Foram aplicadas mais de 7,5 bilhões de doses. Em países de baixa renda, há menos de 5% das pessoas com pelo menos uma dose. Um dos fatores foi o fato de os produtores terem feito acordos bilaterais com países de alta renda e não estarem privilegiando vacinas para países de baixa renda”, analisou.

Sobre o Brasil, a médica disse estar receosa quanto ao futuro, principalmente por conta das discussões em curso sobre o Carnaval.

“Me preocupa quando vejo no Brasil a discussão sobre o Carnaval. É uma condição extremamente propícia para aumento da transmissão comunitária. Precisamos planejar as ações para 2022”, alertou.


Catraca Livre

Estudantes com Covid-19 podem pedir reaplicação da prova do Enem

A medida também vale para o segundo dia de prova, no próximo domingo (28).

Foto: Reprodução

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021, assim como o Enem 2020, tem uma série de medidas de segurança contra a Covid-19. As provas começaram a ser aplicadas no último domingo (21) e quem apresentou algum sintoma poderá pedir a para participar da reaplicação do exame. Isso vale para quem apresentar sintomas da doença até o segundo dia de prova, no próximo domingo (28).  

A reaplicação será nos dias 9 e 16 de janeiro de 2022, mesma data da aplicação do exame para Pessoas Privadas de Liberdade ou sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade (Enem PPL) 2021 e para os participantes isentos da taxa de inscrição em 2020, que por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) tiveram nova oportunidade de inscrição no Enem.

A reaplicação deverá ser solicitada na Página do Participante, entre 29 de novembro e 3 de dezembro, junto com a documentação que comprove a condição de saúde do inscrito.

A documentação deve apresentar o nome completo do participante, o diagnóstico com a descrição da condição de saúde do inscrito e o código correspondente à Classificação Internacional de Doença (CID 10). O documento deve estar legível e constar a assinatura e a identificação do profissional competente, com respectivo registro do Conselho Regional de Medicina (CRM), do Ministério da Saúde (RMS) ou de órgão competente.

Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), tem direito a reaplicação o participante que apresentar sintoma de covid-19 na semana que antecede o primeiro ou o segundo dia do exame. A mesma orientação serve para quem estiver com alguma das outras doenças infectocontagiosas listadas nos editais do Enem impresso e Digital: tuberculose, coqueluche, difteria, doença invasiva por Haemophilus influenza, doença meningocócica e outras meningites, varíola, Influenza humana A e B, poliomielite por poliovírus selvagem, sarampo, rubéola e varicela.

O Inep analisará a documentação comprobatória das condições dos participantes. Quem tiver a documentação aprovada terá a participação garantida na reaplicação.

Uso de máscara

O Enem ocorre em um momento em que a vacinação avança no Brasil e há redução nos casos e no número de mortes por covid-19. Mesmo assim, segundo especialistas a orientação é manter as medidas de segurança, ainda mais em um exame de grandes proporções como o Enem. O exame prevê o distanciamento entre as carteiras e a disponibilização de álcool em gel.

O uso de máscara de proteção, cobrindo totalmente nariz e boca, é obrigatório durante todo o período em que o participante permanecer no local de aplicação da prova, sendo permitido retirá-la apenas no momento da identificação, antes de acessar a sala de prova, para beber água e para comer. Quem descumprir a regra, poderá ser eliminado.

Problemas logísticos

Os candidatos que foram afetados por problemas logísticos durante a aplicação das provas também devem estar atentos ao prazo de 29 de novembro a 3 de dezembro para pedir a reaplicação do exame. São considerados problemas logísticos falta de energia elétrica, infiltrações por conta de chuvas, falhas no computador - no caso do Enem digital, entre outros que prejudiquem a realização das provas.

Enem 2021

O Enem 2021 começou a ser aplicado no dia 21 e segue no dia 28 de novembro, tanto na versão impressa quanto na versão digital. No primeiro dia do Enem, os candidatos fizeram as provas de linguagens, ciências humanas e redação. Ao todo, dos 3,1 milhões de inscritos, 74% compareceram ao exame. No segundo dia, participantes farão as provas de matemática e ciências da natureza. Por conta da pandemia, o exame adotou uma série de medidas de segurança.

O Enem seleciona estudantes para vagas do ensino superior públicas, pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para bolsas em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), e serve de parâmetro para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Os resultados também podem ser usados para ingressar em instituições de ensino portuguesas que têm convênio com o Inep.


Agência Brasil

Vídeo: Canoa afunda com Luciano Huck em rio do Pará e ribeirinho ganhou motor novo

O fato ocorreu durante a gravação de uma matéria para o programa "Domingão do Huck".

Foto: Reprodução

O apresentador do “Domingão”, Luciano Huck, protagonizou uma cena no mínimo curiosa durante a gravação de uma matéria para seu programa. Ele afundou com uma canoa no Rio Trombetas, região norte do Pará.

Luciano se deslumbrou com a pequena embarcação e perguntou ao dono se ela não “capotava” caso ele entrasse junto com o ribeirinho. O dono da canoa respondeu que o apresentador podia entrar, mas Huck perguntou mais algumas vezes até que finalmente entrou. A água começou a invadir a pequena embarcação e afundou.

O apresentador até demorou a perceber que algo de errado estava acontecendo, enquanto o dono da canoa já havia pulado para fora da embarcação. Luciano conseguiu se segurar em outro barco e não sofreu nenhum ferimento.

Segundo informações, após afundar, o motor da embarcação não funcionou mais e o apresentador se solidarizando, voltou ao local e entregou pessoalmente um motor novinho para o ribeirinho.


On News/Folha do Progresso

Sancionada Lei "Mari Ferrer" que pune constrangimentos em julgamentos

Lei é inspirada no caso da influenciadora digital Mariana Ferrer, que foi humilhada durante audiência.

Mari Ferrer. Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, na segunda-feira (22/11), a Lei 14.245/ 2021. Conhecida como Lei Mariana Ferrer, a legislação prevê punição para constrangimentos sofridos por vítimas de violência sexual e testemunhas em julgamentos. O texto foi publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira e entra em vigor imediatamente.

De acordo com a lei, todos os presentes no julgamento deverão assegurar a integridade física e psicológica da vítima. O juiz tem como dever garantir que a lei seja cumprida.

Caso a determinação não seja respeitada, os envolvidos poderão ser responsabilizados nas áreas civil, penal e administrativa. A lei também aumenta em um terço a pena para casos de coação, que é de quatro anos de prisão e multa, quando se tratar de um crime sexual.

A medida foi proposta pela deputada Federal Lídice da Mata (PSB/BA) em 2020 depois da repercussão do caso da influenciadora digital Mariana Ferrer.

Segundo Mariana, ela teria sido estuprada pelo empresário André Aranha em dezembro de 2018. Durante uma das audiências na Justiça de Santa Catarina, o advogado de Aranha, Cláudio Gastão da Rosa Filho, mostrou fotos de Mariana e disse que ela fazia poses "ginecológicas". Aranha foi absolvido por falta de provas.


Correio Braziliense

Congresso negocia derrubar veto de Bolsonaro a distribuição de absorventes gratuitos em dezembro

Parlamentares afirmam que há recursos no orçamento para garantir o atendimento aos estados e municípios.

Foto: Reprodução

Líderes do Congresso Nacional estão articulando para derrubar em dezembro o veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao projeto que prevê a distribuição gratuita de absorvente menstrual para estudantes de baixa renda de escolas públicas e pessoas em situação de rua ou de vulnerabilidade extrema.

Segundo informações, a proposta – aprovada pela Câmara e pelo Senado – não só tem apoio interno como é classificada como um “consenso” de politica pública. Para parlamentares ouvidos, a proposta só foi vetada por uma “questão ideológica” do governo Bolsonaro.

Ao vetar, Bolsonaro argumentou que o texto do projeto não estabeleceu fonte de custeio.

Parlamentares, no entanto, avaliam como “ideológico” o veto de governo e afirmam que há recursos no orçamento para garantir o atendimento aos estados e municípios.

O texto aprovado previa que o dinheiro viria dos recursos destinados pela União ao Sistema Único de Saúde (SUS) – e, no caso das presidiárias, do Fundo Penitenciário Nacional.

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), afirmou que vai reunir líderes nesta terça (23) para definir “o estoque de vetos” que será analisado na semana do dia 7 de dezembro.

Ele confirmou que o veto à distribuição de absorventes gratuitos estará na pauta – e que há negociações para a derrubada do ato.


Com informações G1

Publicidade

Responsive Full Width Ad